ONU alerta sobre o abandono das pessoas com deficiência durante a pandemia de coronavírus

Fonte: ONU

Pouco foi feito para fornecer às pessoas com deficiência a orientação e o apoio necessários para protegê-las durante a pandemia em curso do COVID-19, embora muitos deles façam parte do grupo de alto risco, alertou hoje o Relatora Especial da ONU sobre os direitos das pessoas com deficiência, Catalina Devandas.

“As pessoas com deficiência sentem que foram deixadas para trás”, disse o especialista em direitos humanos da ONU. “Medidas de contenção, como distanciamento social e auto-isolamento, podem ser impossíveis para quem depende do apoio de outras pessoas para comer, vestir e tomar banho”.

“Esse apoio é básico para sua sobrevivência, e os Estados devem adotar medidas adicionais de proteção social para garantir a continuidade do apoio de maneira segura durante a crise”.

O especialista da ONU enfatizou que medidas razoáveis ​​de acomodação são essenciais para permitir que as pessoas com deficiência reduzam os contatos e o risco de contaminação. Eles devem ter permissão para trabalhar em casa ou receber licença remunerada para garantir sua segurança de renda. Os familiares e cuidadores também podem precisar de acomodações razoáveis ​​para fornecer apoio às pessoas com deficiência durante esse período.

“O acesso a ajuda financeira adicional também é vital para reduzir o risco de pessoas com deficiência e suas famílias caírem em maior vulnerabilidade ou pobreza”, explicou ela.

“Muitas pessoas com deficiência dependem de serviços que foram suspensos e podem não ter dinheiro suficiente para armazenar alimentos e remédios ou pagar o custo extra de entregas em domicílio”.

Devandas também observou que a situação das pessoas com deficiência em instituições, instalações psiquiátricas e prisões é particularmente grave, dado o alto risco de contaminação e a falta de supervisão externa, agravada pelo uso de poderes de emergência por razões de saúde.

“As restrições devem ser estritamente adaptadas e usar os meios menos invasivos para proteger a saúde pública”, disse ela. “Limitar o contato com entes queridos deixa as pessoas com deficiência totalmente desprotegidas de qualquer forma de abuso ou negligência nas instituições.

“Os Estados têm uma responsabilidade maior em relação a essa população devido à discriminação estrutural que sofrem”.

O especialista da ONU enfatizou que as pessoas com deficiência merecem ter certeza de que sua sobrevivência é uma prioridade e instou os Estados a estabelecer protocolos claros para emergências de saúde pública, a fim de garantir que, quando os recursos médicos sejam escassos, o acesso aos cuidados de saúde, incluindo medidas de salvamento, não discriminar pessoas com deficiência.

“Para enfrentar a pandemia, é crucial que as informações sobre como prevenir e conter o coronavírus sejam acessíveis a todos”, explicou ela.

“Campanhas de aconselhamento público e informações das autoridades nacionais de saúde devem ser disponibilizadas ao público em linguagem de sinais e meios, modos e formatos acessíveis, incluindo tecnologia digital acessível, legendas, serviços de retransmissão, mensagens de texto, linguagem simples e de fácil leitura. ”

“As organizações de pessoas com deficiência devem ser consultadas e envolvidas em todas as etapas da resposta do COVID-19”, concluiu Devandas.

O apelo de Devandas foi endossado pelo Relator Especial sobre a eliminação da discriminação contra as pessoas afetadas pela hanseníase e seus familiares, Alice Cruz, e a Especialista Independente sobre o gozo de todos os direitos humanos pelos idosos, Rosa Kornfeld-Matte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support